Não há seriado que represente mais o Partido Republicano do que The Walking Dead

Por Thiago Mattos

A série norte-americana The Walking Dead estreou em 2010 e está em sua sétima temporada, sempre batendo recordes de audiência nos Estados Unidos. Nesse retorno ao Pacult, me proponho a tentar entender um pouco este fenômeno e cheguei à conclusão de que o sucesso, sobretudo no país de origem, tem um viés cultural.

Há fortes valores políticos e ideológicos arraigados ao seriado. Muito desse conteúdo tem forte ligação com, ele mesmo…, o partido Republicano, vencedor das eleições presidenciais.

TV Lincoln 1

O protagonista Rick Grimes. Antes do apocalipse, um ‘xerifão’ da cidade de Cynthiana, interior de Kentucky (Estado com vitória de Trump 62,5% x 32.7% Clinton)

Armas

É impossível assistir TWD sem reparar no protagonismo que as armas, sobretudo as de fogo, possuem. Um assunto polêmico em que a série nitidamente simboliza o pensamento conservador.

Passada num país de cultura armamentista muito forte, em que debates sobre uma maior regulação na posse de armas são vistos como uma ameaça à liberdade, o recado da série é claro: se você está com armas, você está mais seguro.

ALERTA SPOILER

Fiquemos com o exemplo ocorrido na vila de Alexandria (5ª temporada). Rick e o grupo são recebidos pela personagem Deanna, espécie de prefeita do local. As regras são colocadas: não é permitido portar armas, todas devem ficar num arsenal. Além disso, quase nenhum morador sabe como manejar uma.

Após vários episódios mostrando a ingenuidade e fraqueza física e mental dos moradores, evidenciando uma realidade ‘fabricada’ e utópica da vida em Alexandria, a vila acaba atacada por um grupo denominado ‘Wolves’.

Dito e feito. Os pacatos moradores, desacostumados com tal situação, viram presas fáceis e muitos morrem. Os personagens do grupo de Rick, em sua maioria críticos ferrenhos à proibição do armamento, terminam por evitar que uma tragédia pior acontecesse.

Base em Thomas Hobbes

A máxima do pensador inglês Thomas Hobbes, ‘O homem é o lobo do homem’, basicamente resume TWD a partir de sua terceira temporada. Primeiro temos que nos ater ao ‘turning point’ que é final da segunda temporada. Até esse momento, o foco da série é um grupo de sobreviventes a um apocalipse zumbi buscando modos de cada vez buscar mais segurança contra os chamados ‘Walkers’.

A morte de Shane Walsh simboliza a ‘passagem do bastão’. A partir dali, o seriado trata de mostrar que a maior ameaça à continuidade da espécie humana são os próprios humanos, mesmo com um apocalipse zumbi dizimando as pessoas.

Depois de duas temporadas com os Walkers no centro da preocupação dos personagens, o telespectador passa a conhecer verdadeiros genocidas pós-apocalípticos como o Governador e, mais recentemente, Negan. Até mesmo o grupo de Rick começa a eliminar/matar qualquer indício de ameaça, haja vista a intensa mudança da personagem Carol Peletier por exemplo.

Vídeo: Carol, de mãe fragilizada pela perda da filha, à matadora mais fria de TWD.

Gradativamente, o foco foi passando da relação interna de Rick Grimes com seu grupo, para o relacionamento do grupo com outros clãs. A morte de Shane e o fim do triângulo amoroso com Lori foi um facilitador para os roteiristas.

Repare na mensagem: O mundo praticamente acabou, 90% das pessoas morreram ou são zumbis, os recursos estão escassos e as pessoas ‘criam’ novas sociedades, formando times que basicamente ficam matando ou tentando subordinar uns aos outros ao invés de buscar cooperação ou até mesmo a cura.

Voltando àquelas aulinhas básicas de Teoria Política sobre a natureza humana. Jean Jaques Rousseau x Thomas Hobbes; ‘O homem nasce bom, a sociedade que o corrompe (base do pensamento de esquerda) x ‘O homem é o Lobo do Homem’ (base do pensamento de direita).

The Walking Dead, pelo menos até aqui, mostrou a sociedade como conhecemos chegando ao fim. Fato que, ao invés de promover a união dos poucos sobreviventes, provocou guerras para o controle da produção de grupos rivais.

Encerro com o vídeo da última cena da 5ª temporada, que mostra o momento em que Rick discursa e faz Deanna mudar seus conceitos sobre armas e pena de morte. O morador mais problemático de Alexandria entra em cena e faz o discurso de Rick ganhar ainda mais força.

Um Comentário

  1. Pingback: Como os personagens de Breaking Bad se apresentam ideologicamente | PACULT

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s