Ailee: Um Pouco de Sorte, Um Belo Rosto e Muito Talento.

 

Já começo o post pedindo desculpas por postar no domingo ao invés do sábado, mas acho que uma reunião de família somada aos lançamento de episódios novos do reality show favorito deste que vos fala e de quase metade dos colaboradores do pacult é choque de monstro, digo, é uma desculpa plausível para me atrasar um pouco no lançamento do post.

No mercado asiático, em especial no coreano, é muito mais fácil para os grupos fazerem sucesso, do que um cantor solo. Pense bem, você pode gostar de uma pessoa que pertença a um grupo e por causa dessa pessoa comprar coisas relacionadas ao mesmo, mas se você não gostar de um cantor solo, você não comprará nada que diga respeito a ele.

Atualmente a situação tem mudado bastante e diversos cantores, novos e antigos, têm conseguido fazer sucesso solo. Ainda que os cantores antigos tenham sua parcela de importância, ouso dizer que essa nova safra de cantores solo seja responsável por essa guinada no mercado.

Dentre os diversos cantores solo que debutaram este ano, uma cantora em especial chamou minha atenção.

Ailee

Continuar lendo “Ailee: Um Pouco de Sorte, Um Belo Rosto e Muito Talento.”

Anúncios

Gangnam Style: PSY, Latino e Eguinha Pocotó

Por José Augusto Neto

Depois de um longo período de provas, brigas, sangue, suor e lágrimas – não teve nada de brigas, sangue, suor e lágrimas, foram apenas as provas mesmo – retorno ao Pacult com uma pequena história.

Um dia desses, fui abordado por um colega de classe em um dos corredores do ambulatório durante um intervalo, ele alegava que tinha algo do meu interesse para me mostrar. Como não tinha nada melhor para fazer no momento, atendi ao pedido e prontamente ele me mostrou o vídeo de Gangnam Style, o qual eu já tinha visto. – Legal né?! – Disse Ele. Apenas assenti com a cabeça e sorri, afinal de contas, eu já havia visto o vídeo e sabia do que se tratava. Durante as semanas seguintes as abordagens de outros colegas se tornaram cada vez mais recorrentes e todas incluíam o assunto Gangnam Style.

Simplificando: Gangnam Style viralizou, todo mundo adora o PSY, mas ninguém sabe nada de substancial sobre sua carreira. É pra trazer um pouco de informações sobre o artista e sobre sua música que decidi falar sobre ele essa semana.

Continuar lendo “Gangnam Style: PSY, Latino e Eguinha Pocotó”

Artistas Coreanos no Japão – Uma reviravolta na História.

Por José Augusto Neto

Como já disse em meu primeiro artigo sobre K-Pop ( que você pode ler clicando aqui) a expansão da cultura coreana tem alcançado os  mais diversos países, e o Japão, por ser o segundo maior mercado fonográfico do mundo, é alvo certo dos artistas coreanos.

Com o inicio da onda Hallyu poucos artistas realmente arriscavam a carreira no Japão com músicas japonesas, mas logo depois o sucesso de BoA com seu debut japonês, diversas empresas começaram a fazer investimentos em seus artistas para que ele se lançassem no Japão.

Além de BoA, o grupo Tohoshiki (DBSK) que debutou na Coreia em 2003, mas só fez sua estréia no Japão em 2005 é um nome a ser lembrado. O Grupo tem uma das maiores vendagens de cd’s no Japão entre os artistas coreanos e mesmo depois da saída de 3 dos 5 membros do grupo continua entre os maiores artistas coreanos a aterrissarem em solo japonês.

Entre os girl groups o grande precursor da entrada dos artistas em solo japonês foi o grupo Jewelry. Jewelry debutou na Coreia em 2001, mas entrou no mercado japonês em 2004. O grupo lançou 4 singles, mas nenhum deles alcançou grande sucesso. Mesmo assim, Jewelry abriu as portas para outros girl groups tentarem.

No período em que os grupos começaram a debutar do Japão, lá pela primeira metade da década de 2000 , era visível quão preparados eles estavam para entrar em um mercado estrangeiro. A grande maioria dos artistas falava japonês de maneira fluente, estavam sempre de acordo com a rígida etiqueta japonesa e as músicas, mesmo as versões de músicas coreanas, tinha realmente letras que eram fáceis de serem distinguidas pelo povo japonês. E pelo fato de existirem poucos artistas que entravam no mercado nipônico, os artistas coreanos realmente lutavam para serem reconhecidos também como artistas japoneses.

Atualmente é notável o despreparo dos artistas ao entrarem no mercado midiático japonês, porque poucos deles sabem a língua japonesa e poucos estão habituados a estrutura de vida do povo japonês. Tal fato é comprovado pelas ferrenhas críticas que diversos grupos vêm sofrendo recentemente.

Ainda que alguns grupos sejam fracos outros continuam a fazer sucesso como: Tohoshiki, Kara, U-Kiss, ShinEE, SNSD, T-Ara, After School e Rainbow.

Alguns Artistas Coreanos que tentaram carreira no Japão.
Alguns Artistas Coreanos que tentaram carreira no Japão.

Ao meu ver é positiva a iniciativa de se lançar artistas coreanos no Japão, mas acho que as empresas deviam investir melhor na preparação dos artistas e na adequação de suas músicas para gosto do público japonês.

Idols e Idol Groups – É que nem formação de quadrilha, só que com meninas bonitinhas que cantam.

Por José Augusto Neto

A palavra ídolo por definição significa: Objeto ou pessoa pelo qual se nutre adoração. Para música, em especial para o gênero J-POP, ídolo tem outro tipo de significância que, a sua maneira, mantem relações com sua descrição no dicionário.

A aplicação do termo Idol no Japão começou nos anos 60, inicialmente era referido com idol toda cantora ou atriz com idade entre 14 e 16 anos e cantores entre 15 e 18 anos. Aos poucos o uso do termo começou a requerer uma série de regras, sendo referidos com Idol, apenas aqueles cantores que cumprissem tais regras. Essa regras incluem restrições como: Não beber ou  fumar,  namorar ou sair com fãs, apresentar formas de comportamento ofensivo ou agressivo, além de outras restrições.

Quando tais regras são quebradas o artista sofre inúmeras penalizações tanto por parte de sua empresa quanto por seus fãs. Um exemplo recente é o da cantora Sashihara Rino do grupo AKB48, que foi acusada de ter se encontrado com homens durante seu período de trainee, a jovem foi penalizada com a realocação dela no grupo mais jovem da família 48 o HKT48. Outro exemplo que merece ser lembrado é o da cantora Ai Kago ex-integrante do grupo Morning Musume que foi flagrada fumando por duas vezes e depois foi pega saindo com um homem quase 20 anos mais velho do que ela, após esses escândalos Ai foi retirada do Hello! Project, grupo “Mãe” do Morning Musume.

Muitos artistas famosos como Ayumi Hamasaki, Namie Amuro e grupos como Perfume, começaram suas carreiras como idols, mas posteriormente migraram para conceitos mais adultos ou outros estilos musicais.

São diversos os Idols e Idol groups no mercado atualmente, mas como de costume vou dar ênfase aos que a meu ver são mais relevantes.

AKB48:

Algumas integrantes do AKB48 em um dos singles mais recentes “Manatsu no Sounds Good”.

É o primeiro grupo da, hoje, família 48. Surgiu em 2005 idealizado por Yasushii Akimoto, com o conceito “ídolos que você pode encontrar”. AKB é um acrônimo de AKihaBara, bairro no Japão onde está localizado o teatro do grupo no qual são realizadas quase que diariamente apresentações das meninas.

O grupo apresentou conceitos únicos como a divisão em time (Times A,K,B e 4) e a eleição do Senbatsu. Senbatsu é a denominação que é dada ao grupo principal, aquele que frequenta os programas de auditório, lança mais singles e faz mais aparições públicas. Na eleição são escolhidas através de voto entre as 237 (JESUS!) membros as 16 garotas mais populares para integrar o senbatsu. Hoje a família 48 já conta com mais outros grupos como: SKE48, NMB48, HKT48, todos situados no Japão ,o JKT48 que é situado em Jacarta, capital da Indonésia, e o ainda não lançado SHN48 situado em Shangai na China.

Ainda que ao primeiro momento cause estranheza a grande quantidade de membros e que devido essa mecânica de eleição membros com mais talento vocal fiquem apagados pelos membros mais populares, AKB48 merece atenção pela inovação no mercado da música bem como na integração dos membros com os outros meios midiáticos ( inúmeras integrantes fazem participações como MC’s, Atrizes e outros)

Morning Musume:

Morning Musume em “One, Two, Three.” seu 50º Single
(De cima para Baixo da esquerda para a direita: Mizuki Fukumura, Haruka Kudo, Sayumi Michishige, Kanon Suzuki, Haruna Iikubo, Sato Masaki, Erina Ikuta, Reina Tanaka, Riho Sayashi, Ayumi Ishida.)

Eu diria que Morning Musume é o precurssor dos Idol groups como conhecemos hoje, Morning Musume foi criado por Tsunku em 1997 e foi o primeiro grupo a integrar o Hello! Project, Alma Mater de grupos como Berryz Koubou, C-ute e cantoras como Erina Amano e Aika Mistui.

Morning Musume institui o conceito de graduação, onde os membros mais antigos do grupo deixavam o grupo dando a possibilidade de entrada para membros novos através de audições. Ainda que hoje o Morning Musume não faça tanto sucesso quanto antigamente, o grupo merece atenção uma vez que sua formação mutável e menor número de integrantes, se compararmos com AKB48, possibilitam que se de maior atenção às membros mais talentosas.

Outros grupos e cantores merecem também ser lembrados como: Fairies, KinKin Kids, SMAP, Berryz Koubou, C-ute, Nogizaka46, Arashi, Sexy Zone e Super Girls.

Ainda que algumas pessoas olhem com reservas para os Idols, que algumas músicas possuam a profundidade emocional de uma poça d’água e que muitos membros dos grupos peguem carona no talento dos membros mais talentosos, não tenho receios em recomendar que se ouçam músicas dos Idols, mesmo que algumas, como eu já disse, não demonstrem muita coisa, outras mostram que muito mais do que beleza os Idols possuem muito talento.

Idol Groups Playlist

(Notícias de Ultima Hora: Houve uma redistribuição nos times do AKB48 e agora o time 4 não existe mais)

Kyary Pamyu Pamyu – O Império do WTF contra-ataca.

Por José Augusto Neto

Kyary nasceu Kiriko Takemura, mas assumiu a identidade quase mitológica de Caroline Charonplop Kyary Pamyu Pamyu mais conhecida como Kyary Pamyu Pamyu.

Kyary começou sua carreira como blogueira de moda quando em 2009 foi fotografada por um Trend Hunter da revista KERA onde se tornou um fenômeno entre leitores e posteriormente uma modelo recorrente da publicação.

Capa mais recente de Kyary na revista KERA, publicação voltada para a juventude punk frequentadora das avenidas do bairro Harakuju.

Em 2010 , ainda como estudante de ensino médio, dá seu primeiro passo na carreira musical assinando com a Avex Trax com o nome de Kyary e lançando  o single “Miracle Orange” para o projeto highschoolsinger.jp. Já como Kyary Pamyu Pamyu, mas ainda sob a supervisão da Avex Trax lança o single Loveberry e o álbum Kyary Pamyu Pamyu no Ghibli Set, que é uma compilação de várias músicas de trilhas sonoras de filmes do Studio Ghibli que foram usadas para um photshoot da cantora.

Na metade do ano de 2011 a cantora termina seu contrato com a Avex e assina com a Warner Music e em gosto lança o single “PONPONPON”.

“PONPONPON” gerou uma enorme repercussão, com cenários inspirados em elementos da cultura Harakuju, coreografia fácil e o dissimulado refrão repetitivo “PON PON PON WAY WAY…”, a música atingiu novos patamares chegando a ser comentada em um tweet da cantora Katy Perry.

 Após o sucesso estrondoso de “PONPONPON” a cantora ainda lançou mais dois singles: “Tsukema Tsukeru” em Dezembro do ano passodo e “CANDY CANDY” neste ano, que também fizeram muito sucesso.

Sob minha óptica Kyary é uma artista boa, mas incompleta, Seus vocais são fracos e as letras de suas músicas são vazias de significado e repletas de palavras repetidas, ainda assim é praticamente impossível não se pegar cantando um dos hits da cantora após ouvi-los pela primeira vez.

Ainda que tenha muitos pontos negativos Kyary cria um escudo com a enorme criatividade de seus clipes. Cada clipe possui cenários únicos onde Kyary assume os mais diversos papéis e é acompanhada de personagens excentricíssimas. Em “PONPONPON” a cantora se torna uma garota mágica acompanhada de uma estranha garota gorda que dança loucamente, já em “Tsukema Tsukeru” ela se torna a rainha de um império onde diversos leões dançarinos cumprem a função de pajens.

Kyary é assim, louca ,mas fofa é uma daquelas cantoras que você teima em não gostar, mas aquele charme meio fora de órbita de suas musicas te toma de assalto e você acaba se rendendo as repetições dos refrãos e as danças fáceis. Ainda que com algumas reservas recomendo a todos que ouçam Kyary: Duvido que alguém conseguira ficar sem cantar “PONPONPON” depois de ouvi-la.

Outros Vídeos de Kyary:

K-POP – E você achando que na Coreia só tinha guerra.

            Por José Augusto Neto

Aposto que para muitos quando se fala em música pop coreana a primeira coisa que vem a cabeça é aquele famoso som no melhor estilo “chingling”.

Para essas pessoas eu tenho duas grandes notícias: A primeira é que a música pop coreana ou K-Pop é um gênero de música razoavelmente semelhante ao pop americano e a segunda é que esse estilo está em franca expansão não apenas pela Ásia, mas pelo mundo todo.

A música popular coreana nasceu do Trot, um gênero típico da Coreia, que é derivado do Foxtrot e da Musica Gospel americana. O Trot reinava absoluto no país até que grupos como Seo Taiji & The Boys e Deux, em meados dos anos 90, passaram a incorporar o Pop, o R&B, o Hip-Hop e o Rap a suas músicas. Dessa mistura de gêneros nasceu o K-Pop que muito mais que um estilo de música é um movimento cultural, uma vez que este engloba também a moda, o cinema e outros tipo de mídia.

Justamente após a iniciativa de Seo Taiji & The Boys iniciou-se a expansão da cultura coreana, a esse fenômeno os especialistas chamaram de onda Hallyu que é a difusão da cultura coreana e seus subprodutos(moda, cinema, música) pelo mundo. A onda hallyu começou a ser notada primeiramente com a música e logo depois com a exportação de filmes e novelas, dentre os mais conhecidos estão o seriado “Winter Sonata” que conta a história de Joon-Sang, um jovem que em busca de seu pai biológico se apaixona por Yu-Jin ,mas acaba perdendo a memória devido a um acidente. Depois do acidente Joon-Sang é levado para os Estados Unidos por sua mãe. Dez anos depois o casal se reencontra, mas devido a perda de memória, Joon-Sang não se lembrade Yu-Jin, que por sua vez ainda nutre um amor pelo rapaz. Com uma trama envolvente o seriado logo se tornou extremamente popular em toda a Ásia.

Atualmente a onde Hallyu atingiu países como Estados Unidos, com entrada de grupos coreanos no mercado fonográfico americano, e até mesmo o Brasil, exemplo disso são os eventos que tem acontecido em nosso país como o United Cube e o Kpop Cover Dance Festival.

FanCam Mblaq em São Paulo durante o Kpop Cover Dance Festival: 

FanCam 4Minute em São Paulo no United Cube:

São vários os artistas relevantes, mas vou dar ênfase a apenas três:

Girls’ Generation:(Da esquerda para a direita: Sunny, Tiffany, SooYoung, SeoHyun,Yuri, YoonA, Jessica, HyoYeon e TaeYeon)         

Girls’ Generation é um grupo composto por TaeYeon, Jessica, Tiffany, Yuri, HyoYeon, Sunny, SooYoung, YoonA e SeoHyun e é dito como o grupo líder da onda Hallyu e também responsável por meus ataques quase diários de FanBoy. Debutando com imagem fofa as garotas aos poucos foram assumindo conceitos mais adultos, mas sem nunca perder a compostura, afinal de contas são coreanas.

As meninas atuam no mercado japonês e coreano e recentemente lançaram o single americano “The Boys”. Além dos projetos solos o grupo possui uma Sub-Unit chamada TaTiSeo composta pelas integrantes TaeYeon, Tiffany e SeoHyun, e é mais focada nos vocais.

Apesar dos inúmeros girl groups coreanos Girls’ Generation ou So Nyeo Shi Dae (SNSD), como são chamadas na Coreia, atingiu status de estrelas não apenas pela suas músicas de sucesso, mas sim pelas suas personalidades únicas e pelo grande amor que as garotas nutrem umas pelas outras bem como por seus fãs.

Big Bang
Big Bang:(Da esquerda pra direita: DaeSung, T.O.P, TaeYang, G-Dragon e SeungRi)

Big Bang é uma das boy bands coreanas de maior repercussão internacional, ganhadores de um EMA como melhor Artista Internacional, donos de diversos hits na Ásia e detentores de uma tour com passagem programadas por todo mundo, inclusive no Brasil, eles são, pelo menos ao meu ver, o grupo com mais chance de sucesso internacional uma vez que que suas músicas se aproximam muito do pop americano.

 O Grupo é composto por G-Dragon, T.O.P, TaeYang, Daesung e SeungRi, todos os integrantes possuem  carreiras solos estáveis e T.O.P e G-Dragon participam de uma sub-unit chamada GD&TOP. Big Bang é um daqueles grupos que você pode até não gostar do grupo como um todo, mas pelo menos um dos integrantes com seus estilos diversos conseguirá te cativar.

BoA

BoA é muito mais do que boa. Trocadilhos a parte BoA é indubitavelmente uma das maiores estrelas da cena K-Pop.  Ela debutou na Coreia no ano de 2000 com apenas treze anos com o “Single ID; Peace B”. Em 2002 ela entra no mercado japonês com o álbum “Listen to my Heart”e inicia a sequencia de seis álbuns consecutivos em primeiro lugar da parada “Oricon”. Em 2008 se lança no mercado americano com o single “Eat you Up” e em 2009 lança seu álbum “BoA”. Agora a cantora retorna ao mercado coreano com o álbum “Only One”.

 Se eu fosse descrever tudo que BoA já fez eu passaria toda eternidade aqui e ficaria sem material pro post que pretendo fazer sobre ela. BoA é acima de tudo uma pioneira, é a primeira cantora coreana solo a se lançar no mercado japonês e  americano e também  a primeira cantora asiática não japonesa a alcançar o topo da Oricon. BoA tem um estilo de canto e dança que a faz única provando que ela realmente merece o título de rainha do K-Pop.

Outros artistas também merecem destaque como: ShinEE, F(X), After School, Ailee, IU, Super Junior, 2NE1, DBSK, JYJ, SISTAR, T-Ara, Wonder Girls, 4Minute, Beast, G.NA e muitos outros.

Uma gama de fatores torno o K-Pop atraente, como o gênero é derivado de uma mistura de diversos estilos musicais as músicas possuem uma sonoridade diferenciada que pode agradar os mais diversos ouvidos, além disso, as coreografias dos grupos são envolventes e bem elaboradas e o clipes, mesmo que nem todos, possuem uma qualidade técnica comparável ,quiçá superior a de muitos artistas ocidentais.

O K-Pop tem mostrado seu poder como movimento cultural levando massas a grandes estádios e casas de shows e influenciando pessoas em todo o mundo a adotar alguns costumes da cultura coreana. A meu ver a era do K-Pop apenas começou e com as tentativas de diversos artistas de entrar no mercado ocidental podemos esperar grandes novidades para os brasileiros e quem sabe até mesmo um SM Town aterrissando em terras tupiniquins.

Playlist K-POP Greatest Hits: