Kubrick, inclusão e ocupação: Cine Teatro Cuiabá promove mostra a preços simbólicos

 

Em uma mistura de inclusão, e ocupação de espaço, o Cine Teatro Cuiabá exibe a partir desta terça-feira (21), obras de diretores famosos que marcaram gerações. Com preços quase simbólicos, a Sessão Encontros com Cinema devolve ao edifício sua relevância no cenário cultural cuiabano e proporciona, até o dia 9 de maio, um encontro com o diretor Stanley Kubrick, escolhido para nomear a mostra. Laranja Mecânica (1971), O Iluminado (1980) e Lolita (1962) serão algumas dos clássicos rodados.

Nesse embalo, acontece o segundo encontro do curso de extensão “Experimentos Cênicos a partir da distopia em Kubrick”, oferecido pela MT Escola de Teatro, para 25 alunos selecionados. As aulas tiveram início no dia 14 de março e seguem até 02 de maio, às terças, das 19h às 22h.

Os ingressos para assistir aos filmes custam R$4 (inteira) e R$2 (meia), e estão à venda, além da bilheteria, também pelo site Ingressos MT. As exibições são sempre às 19h. A mostra é um projeto em parceria com a Pró-reitoria de Cultura, Extensão & Vivência (PROCEV), Cineclube Coxiponês e Departamento de Comunicação Social da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), e tem como objetivo formar plateias que se interessem em ver ou rever obras cinematográficas de cineastas prestigiados nessa área.

download
E para o público infantil tem ainda o projeto A Escola vai ao Teatro, que consiste em visitas agendadas, onde alunos e professores de escolas públicas privadas conhecem o Cine Teatro e assistem a um filme. Nesta semana, a atração é Alice Através do Espelho, que é uma continuação de Alice no País das Maravilhas. Desta vez, após uma longa viagem pelo mundo, ela volta para a casa da mãe e através de um espelho mágico retorna ao País das Maravilhas, vivendo incríveis aventuras. O projeto acontece todas as terças-feiras às 15h.

Para esta semana entra em cena Lolita, que conta a história de um professor de meia-idade que se apaixona por uma adolescente de 12 anos. Apesar de não suportar a mãe da jovem, se casa com ela, apenas para ficar mais próximo do objeto de sua obsessão, pois a atração que ele sente pela enteada é algo devastador.

A jovem, por sua vez, mostra ser bastante madura para a sua idade. Enquanto ela está em um acampamento de férias, sua mãe morre atropelada. Sem empecilhos, seu padrasto viaja com sua enteada e diz a todos que é sua filha, mas na privacidade ela se comporta como amante. Porém, ela tem outros planos, que irão gerar trágicos fatos.

O Cine Teatro

Inaugurado em 23 de maio de 1942, o prédio possui 1.182m2 de área construída, incluindo teatro com plateia para uma capacidade de 515 pessoas. Foi construído em área central da cidade, na Avenida Getúlio Vargas, ao lado do antigo Grande Hotel, oportunizou grandes espetáculos cinematográficos e cênicos até fins da década de 60.

Cineteatro
Reprodução/Internet

Em outras décadas, foi sede do Banco Bemat, cedido para a Fundação Cultural de Mato Grosso e sofreu interferências na estrutura do prédio ao longo dos anos. Passou por reforma, restauro e revitalização, reabrindo as portas em 2009. Funcionou até setembro de 2014 sob regime de contrato de gestão.
Atualmente a política de gestão do Cine Teatro Cuiabá passa por reformulação. Um novo chamamento está aberto com o objetivo é transformar o espaço num centro cultural artístico-pedagógico de referência, adotando um modelo de Teatro-Escola que combinará difusão e formação profissional.

Confira a programação que ainda entrará em cena da Mostra Kubrick:

Terça 21/03: Lolita (1962)

Terça 28/03: Dr. Fantástico (1964)

Terça 04/04: Laranja Mecânica (1971)

Terça 11/04: Barry Lyndon (1975)

Terça 18/04: O iluminado (1980)

Terça 25/04: Nascido para matar (1987)

Terça 02/05: De olhos bem fechados (1999)

Terça 09/05:  Documentário: Imagens de uma Vida (2001) – Direção: Jan Harlan

Entrada: R$4 (inteira) / R$2 (meia)

Horário: 19h

 

Anúncios

Após adiamento, Mostra de Cinema Negro começa em Cuiabá

15390950_1239012536159376_8328836897246949517_n
Imagem: divulgação.

Por Juliana Fernandez

É iniciada hoje a Mostra de Cinema Negro, que vai até quinta-feira (15) no Cine Teatro, em Cuiabá. Inicialmente com o nome ‘Liberdade Mostra de Cinema Negro’, o evento foi adiado após insatisfação da classe artística com a falta de representatividade negra na programação da mostra, além de graves acusações de racismo. A Mostra de Cinema Negro chega ao público a partir das 17h, com uma roda do Abadá Capoeira na Praça Alencastro. O evento traz produções assinadas por cineastas negros de diferentes regiões do Brasil, além de Slam Poetry, intervenções de grafite, shows de rap, palestra e roda de conversa.

A cineasta Juliana Segóvia faz parte da mostra com “Sob os Pés”, documentário de 2015 dirigido em parceria com Neriely Dantas. Ela conta que não houve convite para sua participação, entretanto, isso não impediu que ela e outros fomentadores culturais contribuíssem na construção da programação após o adiamento da primeira mostra.

“Eu acabei ajudando a contribuir com a Lidi [Lidiane Freitas de Barros, assessora da SEC-MT], que assumiu a frente a mostra e sua organização. Ajudei a construir a programação, trazendo nomes daqui e de outras regiões. A Lidi me convidou a participar da roda de conversa ‘Cinema Negro em MT’, que será mediada pelo Paulo Traven. Também participarão da roda o Wuldson Marcelo e o Maurício Pinto, a gente vai debater sobre como trazer mais pessoas negras para dentro da produção audiovisual em Mato Grosso”, explica a diretora.

Integrante da roda de conversa ‘Cinema Negro em MT’, o escritor e cineasta Wuldson Marcelo participa da mostra com ‘Se acaso a tempestade fosse nossa amiga, eu me casaria com você‘, no qual divide a direção e o roteiro com Felippy Damian. Wuldson acredita que o descaso com artista e produtores culturais negros, além de representantes do movimento negro e das religiões de matrizes africanas vem de longa data, e consiste em um problema que vai além da pasta que atende a cultura em Mato Grosso.

“Acredito que depois da mobilização em torno da falta de representatividade, que ficou bem marcada na primeira programação, a mostra terá um público mais preocupado em conhecer e reconhecer as produções audiovisuais realizadas por homens e mulheres negras. São filmes que contam a história, as culturas, as religiões, as vivências de negros e negras neste país onde o racismo é estrutural e a ideia de democracia racial mascara, ou tenta, a sua existência deste crime”, finaliza Wuldson.

Confira a programação da Mostra de Cinema Negro: